Os nossos conselhos

Artigo seguinte 1

Pontos-chave para facilitar o amor

Há pessoas para quem o amor não tem segredos, e outros parecem resistir a ele, ou talvez apenas andem um pouco despistadas para o agarrar quando aparece. Vamos então sugerir uma série de chaves, que postas em prática, facilitam que o amor entre nas nossas vidas:

Relaxar-se, isto é, não se preocupe tanto sobre o tema ou o assunto, deixe as coisas fluírem naturalmente, e elimine qualquer pensamento que possa produzir tensão.

Aceite como é. E se há algo que não gosta o suficiente, o melhor é procurar novos padrões de comportamento até que você se sinta confortável com eles. Se pararmos para pensar, não faz muito sentido que alguém tenha que suportar o que nem nós próprios aguentamos. Modificar o nosso comportamento não irá alterar a nossa essência, simplesmente melhorará o que já somos.

Não tentar ser quem não é. Realmente, numa relação, tudo é transparente e é mais prático e mais confortável que, desde o início mostremos quem somos e que nos desejem e nos queiram por essa mesma razão.

Potenciar o melhor que temos. Isto não é enganar, nem ocultar. Trata-se isso sim de chamar a atenção para os nossos pontos fortes, dos quais estamos mais orgulhosos, e sobre aquilo que sabemos fazemos melhor. Isso também faz parte de quem somos.

Perder o medo à rejeição. Porque, na realidade, não o é. Quando duas pessoas se estão conhecendo para ver se são suficientemente compatíveis para formar um casal, desde o primeiro momento há a possibilidade de que nos digam que não, da mesma maneira que também nós podemos dizer que não a alguém. E isso está bem, sempre que tenhamos especial atenção especial em fazê-lo com tacto e consideração para com os sentimentos do outro. Por muito que gostemos de alguém, se essa pessoa não gosta de nós, temos que respeitar a sua decisão. Se a situação fosse ao contrário, o que pensaríamos de alguém de quem não gostamos e que insiste em que temos que nos apaixonar por ela? Não devemos cair no mesmo erro.

Perder o medo de reconhecer os nossos próprios sentimentos. Está correcto contar a alguém que gostamos dessa pessoa. De facto, é preferível ouvir isso que algo mais desagradável. Contudo, por vezes, temos tendência para mostrarmo-nos um pouco reticentes em reconhecê-lo, porque:

Expomo-nos a uma eventual rejeição. Podemos vencer esse medo, se nos valorizamos e nos queremos a nós próprios, se expressamos os sentimentos com generosidade, sem esperar nada em troca e sem criar falsas expectativas.

Expomo-nos a que nos molestem. Ocasionalmente, quando alguém diz que gosta da outra pessoa, pressupõe o inicio para que o outro inicie uma série de comportamentos, que em vez de conquistar, somente conseguem molestar, e às vezes quase a sentir-se algo que é mais uma necessidade do outro do que

própria. O melhor remédio é um não claro e a tempo. Mas antes de mais, o principal é saber quando nos estamos excedendo nas acções.

Abra o número de grupos aonde conhecer novas pessoas, para aumentar as oportunidades de conhecer pessoas semelhantes e com a qual você tenha afinidade. Ao principio, é melhor fazer diferentes grupos em actividades que sejam do nosso agrado. O factor mais importante é a regularidade, ou seja, ir a um sitio de uma forma sistemática e regular, para ter a possibilidade de se conhecerem melhor. A partir daí, surgirá uma relação mais amigável que permitirá, pelo menos, ter um grupo de conhecidos, com quem sair, ou talvez conhecer aquele alguém especial.

Não pretender acertar à primeira. Nem o próprio Einstein se atreveria tanto. Iremos abordar o mundo das relações com a expectativa realista de que, antes de um sim definitivo, são necessários muitos "nãos", e todos os erros valem a pena, se ao final nos levam ao sucesso.

Abrir-se ao amor significa estar aberto aos demais. Os dias que passam resultam mais ou menos agradáveis em função da qualidade das relações que temos com aqueles que nos rodeiam. Dependendo de com quem se está, o paraíso pode-se tornar num inferno, ou o inferno num paraíso.

Abrir-se ao amor, em suma, não é aceitar tudo o que venha a nós, mas sim estar disposto a fazer uma selecção do que é melhor para si próprio. Consiste em aceitar os nossos sentimentos, sem ter vergonha deles, e não render-se até encontrar a essa pessoa com quem possa viver uma vida plena e com compreensão mútua.

Pensando bem, não se pode imaginar um sentimento mais puro e mais honesta que o amor, nem um comportamento que produza mais satisfação que expressá-lo e recebê-lo.

Encontre os solteiros que
lhe correspondem verdadeiramente

  • Faça gratuitamente o nosso Teste de Afinidade
  • Descubra a sua selecção de solteiros
  • Entre em contacto

Ajuda em linha

Encontre todas as respostas
às suas perguntas: